Você Está
Início > Notícias > Cidade > Comunidade pede permanência de médico em posto de saúde de Rosário do Sul

Comunidade pede permanência de médico em posto de saúde de Rosário do Sul

Uma mobilização de moradores de quatro bairros atendidos pelo Estratégia Saúde da Família 3 (ESF 3) foi realizada ao final da tarde de quarta-feira (27), em Rosário do Sul. O objetivo foi a viabilidade da permanência do médico uruguaio Nicolás Sánchez Caraballo no atendimento do posto.

Sánchez faz parte do programa Mais Médicos, do Governo Federal. O contrato dele se encerra em fevereiro de 2020, o que faria com que o médico deixasse de atuar no ESF 3, da Vila Nova, que atende também o Parque Ibicuí, Primavera e Areias Brancas. Por isso, moradores dos bairros atendidos estão se mobilizando pela permanência do profissional uruguaio. Um abaixo-assinado com mais de mil assinaturas foi feito e seria entregue à prefeita municipal Zilase Rossignollo (PTB).

O desfecho da situação passa pela criação do programa Médicos pelo Brasil, aprovada na última quarta-feira (27), no Senado – após extinção do programa Mais Médicos. Enquanto o projeto de lei aguarda sanção presidencial, há a possibilidade da Prefeitura Municipal de Rosário do Sul abrir um processo seletivo de contrato emergencial por períodos de quatro a seis meses, podendo ser renovado.

Conforme o representante da Secretaria Municipal de Saúde, Jair Rocha Oliveira, a Administração Pública já iniciou essas tratativas. “A gestão vai fazer o possível para que o Dr. Nicolás continue conosco, pois é um excelente profissional e a comunidade tem vínculo”, relatou. O possível edital de contrato emergencial seria feito de forma universal, de modo que outros profissionais poderão inscrever-se, explicou Oliveira.

Durante a reunião com o poder público, os moradores dos bairros atendidos por Nicolás ressaltaram a forma humanizada do serviço do médico e do vínculo que a comunidade possui com ele. Sánchez é clinico geral e possui pós-graduação em Medicina de Família. Ele também havia feito o exame do Revalida e aguarda, agora, para conquistar seu registro no Conselho Regional de Medicina (CRM), a fim de poder atuar em qualquer área no país, que adotou. “A ideia minha, da minha família e da comunidade é tentar ficar aqui trabalhando. Recebi um apoio bem grande da comunidade e foi bem bom, fico emocionado com essa participação”, disse.

Dr. Nicolás recebeu o carinho e o apoio de seus pacientes em manifestação

O fim do ciclo do Mais Médicos não atingiu somente Nicolás. Em Rosário do Sul, a médica Ana Laura, também uruguaia, que atende no bairro Progresso, passa pela mesma situação. Segundo Oliveira, o custo com dois médicos sairia em torno de R$ 500 mil por ano aos cofres do município.

A reportagem da Gazeta acompanhou toda a reunião e também realizou a transmissão ao vivo que pode ser visualizada abaixo. Os vereadores Maria Eugênia Dutra (PDT), Jair Mendes (MDB) e Gilson Alves (PDT) também estiveram presentes na manifestação.

SAIBA MAIS – Lançado em 2013, o Mais Médicos tinha o objetivo de ampliar a oferta de serviços médicos em locais afastados ou com população vulnerável. No entanto, foi extinto após declarações do presidente Jair Bolsonaro (Aliança Pelo Brasil), que questionava a preparação dos especialistas cubanos participantes. O posicionamento de Bolsonaro fez com que o governo de Cuba anunciasse, em novembro de 2018, que não faria mais parte do Mais Médicos.

AO VIVO: Manifestação dos moradores da Vila Nova em prol da permanência do atendimento do médico Nicolás no EFS 3

Publicado por Jornal Gazeta de Rosário em Quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Reportagem e fotos: Julio Lemos / Gazeta de Rosário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Top