Você Está
Início > Notícias > Destaque > Primeira partida do Citadino termina em empate

Primeira partida do Citadino termina em empate

O primeiro jogo do Citadino 2017 foi entre o campeão da edição do ano passado, Mundo Real, e o vice, Sol América. A partida, realizada no domingo (06), durante a abertura oficial do campeonato, no Centenário, valeu pela categoria Principal e teve placar de 1 a 1.

A atuação dos goleiros Jonas Faete, do Sol América, e Rafael Cardoso “Mancha”, do Mundo Real foi fundamental para que gols não fossem marcados.

No início, as duas equipes buscaram espaço, mas a primeira chance de gol foi do Sol América com o atacante Juca Jaques, camisa 9, que chegou duas vezes perto da rede. Na sequencia, o Mundo Real fez as duas primeiras investidas. O atacante Antônio Dutra Neto, camisa 16, quase marcou o primeiro gol no final do 1º tempo, mas a jogada de esquerda foi defendida pelo goleiro Jonas. Depois foi a vez de Nenê, após falta, cabecear e quase fazer gol para o Mundo Real.

Já no 2º tempo, a jogada pela direita iniciada por Márcio Martins, camisa 9, passou para o atacante do Mundo Real, Antônio Dutra Neto, e para Bruno Dutra, camisa 23, que cruzou  alto para o cabeceio de Neto. Assim, aos 14 minutos, o Mundo Real marcou 1 a 0. Em homenagem, Neto tirou a camisa e revelou uma segunda camiseta com a foto do capitão de 2016, Pablo Garcia.

Com 1 a 0 na conta, os dois times jogaram no contra-ataque e ambos tiveram a oportunidade de marcar várias vezes. No final, quando o jogo já parecia definido para o Mundo Real, um ataque fulminante do Sol América resultou em oportunidade para o atacante Juca Jaques, que não deu chances para “Mancha” defender e empatou, aos 46 minutos. “Graças a Deus consegui fazer o gol ali no finalzinho para poder ajudar minha equipe a sair com um empate e um ponto que já ajuda”, comemora Jaques.

Homenagens para o eterno capitão

Dionatan Garcia “Nenê”, camisa 13 do Mundo Real, também se destacou, principalmente no desarme e marcação durante toda a partida, em momento especial de homenagem póstuma. Ele é irmão de Pablo Garcia, jovem atleta do mesmo time, falecido recentemente. Antes da partida, o estádio fez um minuto de silêncio por Souza, chamado de “eterno capitão”.

O posto de comando no time agora é ocupado pelo irmão Nenê, que herdou a faixa com o nome do irmão. Antes, a distinção foi usada pelo pai do rapaz, ex-jogador profissional Claudio Souza “Buião”, que atuou pelo time em participação especial. “Foi linda a homenagem. Quero agradecer pelo carinho do Mundo Real pelas homenagens prestadas”, afirma Nenê.

Reportagem e fotos: Julio Lemos /  Gazeta de Rosário

Este slideshow necessita de JavaScript.

Deixe uma resposta

Top