Você Está
Início > Notícias > Biometria causa filas e questionamentos em rosarienses

Biometria causa filas e questionamentos em rosarienses

Criado para agilizar o momento da votação, o cadastro biométrico acabou gerando filas em diversas sessões eleitorais em Rosário do Sul. Isso se deu, pois muitos mesários tinham que repetir o processo da leitura da digital até quatro vezes para que esta fosse reconhecida pelo aparelho.

Além disso, muitos eleitores que não realizaram o cadastro biométrico se surpreenderam ao chegar aos locais de votação e se deparar com suas digitais armazenadas no sistema e prontas para serem confirmadas.

De acordo com o Chefe do Cartório Eleitoral da 39ª Zona Eleitoral, Daniel Gomes Dockhom, os próprios funcionários do cartório foram também surpreendidos quando, às vésperas das eleições do primeiro turno, receberam a informação que as digitais de boa parte dos eleitores já estavam cadastradas.

Isso se deu em função de uma iniciativa do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para obter esses dados através do Instituto Geral de Perícias (IGP) e Detran. Dessa forma, pessoas que fizeram a Carteira de Identidade ou Carteira Nacional de Habilitação (CNH), dentro do período acordado pelo TRE, tiveram suas digitais já cadastradas para as eleições deste ano e poderiam votar utilizando a biometria.

Leia mais notícias da editoria Política

O Chefe de Cartório, no entanto, destaca que apesar da proposta facilitar a vida dos eleitores que não precisarão realizar o cadastro biométrico, deveria ter sido melhor divulgada. “Uma vez que já tinha esse clima de desconfiança das urnas eletrônicas, que foi muito propagado pelas Fake News, quando uma pessoa chega para votar e estão os seus dados biométricos, é mais um elemento que se agrega nessa mistura de insegurança”, comentou.

Mesmo assim, Daniel ressalta o lado positivo da iniciativa do TRE. “A gente tinha em Rosário do Sul um pouco mais de 30% da população coletada biometricamente e esse passo, deve dar um pulo para em torno de 60%, 70%”, explicou o Chefe do Cartório.

Os eleitores que tiveram as digitais confirmadas no momento da votação, não precisam fazer o cadastro biométrico. Já aqueles que ainda não realizaram o cadastramento devem procurar o Cartório Eleitoral, no prazo que tem previsão para iniciar em novembro deste ano e deve se estender até 2020.

Reportagem: Dyuli Soares / Gazeta de Rosário
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Deixe uma resposta

Top