Você Está
Início > Notícias > Destaque > Rosariense é multado em Santa Maria por dirigir táxi usando bombachas

Rosariense é multado em Santa Maria por dirigir táxi usando bombachas

O taxista Ricardo Gonçalves, 50 anos, foi multado pela terceira vez na última sexta-feira (5), por trabalhar vestindo bombachas em Santa Maria. A autuação é amparada pelo decreto municipal de 2016, que regulamentou a vestimenta dos taxistas. No texto, determina-se que os condutores usem camisa ou camisa polo branca ou azul, cinto preto afivelado, calça social ou jeans, por exemplo.

Neste mesmo texto, proíbe-se o uso de alguns itens, como boinas, toucas ou bonés. Porém, o termo bombacha não é citado. O uso da peça, no entanto, pode custar quase R$ 500 para Rodrigues. A primeira multa foi aplicada em outubro de 2016, no valor de R$ 149,64, e as duas últimas em novembro de 2017 e na última sexta-feira (5), no valor de R$ 161,41. Em todos os casos, o taxista recorreu judicialmente. No primeiro, teve o pedido indeferido e os outros ainda não foram apreciados.

Como a pilcha gaúcha é, por lei estadual, considerada um traje oficial em todo o Estado desde 1989, Gonçalves sente-se no direito de trabalhar, diariamente, usando a vestimenta típica do gaúcho. E assim o faz há 10 anos. Ele começou a dirigir o táxi do pai, como auxiliar, há 30 anos, e há 20, desde que o pai morreu, é permissionário do veículo. “Assim como tem pessoas que gostam de usar piercing, ou tatuagem, eu gosto de usar bombacha. Foi uma opção minha, há 10 anos atrás, e eu me criei na cultura gaúcha”, disso o taxista, em entrevista ao Diário de Santa Maria.

A Secretaria de Mobilidade Urbana aguarda o relatório da Comissão Especial da Câmara de Vereadores que analisa a legislação que envolve os taxistas. Além disso, uma equipe da Secretaria deve estudar sugestões de mudanças nas leis e decretos municipais que envolvem esses profissionais, que podem ou não ser aprovadas. “Este taxista é uma pessoa que valoriza o Estado que vive, querendo usar o traje típico. (…) Eu não vejo dificuldade nenhuma de que isso seja reconhecido através dessa alteração da lei porque um gaúcho bem trajado também representa muito bem a nossa cidade”, disse a secretária Sandra Rebelato, ao DSM.

Com informações do Diário de Santa Maria
Foto: Gabriel Haesbaert / Diário de Santa Maria

Deixe uma resposta

Top