Você Está
Início > Notícias > Cidade > Domingo de despedida de dois importantes cidadãos rosarienses

Domingo de despedida de dois importantes cidadãos rosarienses

Os instrumentos de percussão que formaram várias gerações pela Banda Saci ao longo das últimas cinco décadas e os tambores e pandeiros da bateria nota 10 dos Bambas da Orgia, perderam seus fundadores. O domingo (26) amanheceu triste em Rosário do Sul com a notícia do falecimento de dois importantes cidadãos, o fundador e diretor da banda Saci, Getúlio Cremonini Veiga, de 75 anos, e o fundador da escola de samba Bambas da Orgia, desportista e líder comunitário, Iedo Aglair da Silva Fontoura, de 73. Ambos contribuíram significativamente para o desenvolvimento cultural atravessando gerações e marcaram época.

Getúlio Veiga deixa legado musical para várias gerações que passaram pela Banda Saci

Getúlio Veiga faleceu no final da noite de sábado (25), por problemas cardíacos. Nasceu em 19 de abril de 1943 em Cacequi e mudou-se para Rosário em 1959, a fim de servir o Exército no então 2º Regimento de Cavalaria Motorizado (2ºRCMot). Foi no 4º RCC onde teve o seu primeiro contato com instrumentos de percussão e acabou indicado pelo então Major Dario da Costa, por solicitação da ex-diretora da escola Marçal Pacheco, Zeni Prates, a fundar a Banda Saci, no dia 29 de agosto de 1963. O trabalho no Marçal Pacheco encerrou antes de 2015, quando Getúlio recebeu o convite de atuar com a Banda Saci no Instituto Estadual Deputado Ruy Ramos, dentro do programa escola aberta, desenvolvido naquele educandário, onde atualmente realizava ensaios e apresentações com os cerca de 50 alunos da banda.

Getúlio era funcionário público estadual aposentado, tendo exercido trabalho na Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), em Rosário do Sul. Ele receberia em novembro, o diploma de “Cidadão Rosariense”, pelos relevantes serviços prestados a comunidade à frente da Banda Saci no município. A proposição foi apresentada em maio deste ano pelo vereador Jair Mendes (MDB), e aprovada na oportunidade. Conforme o vereador, Getúlio estava muito feliz com o título que já tinha também sido sancionado pelo Poder Executivo. “Ele estava muito faceiro com a indicação e isso para nós é uma forma do Legislativo fazer um agradecimento para ele pelo que fez pela comunidade”, explicou o proponente da condecoração.

Leia mais notícias da editoria Cidade

Conforme o diretor do Ruy Ramos, Fernando Eli Pereira, Getúlio deu início a banda da escola praticamente do zero. “Em 30 dias as crianças já estavam batucando. (…) Era um parceiro e estava sempre disposto a se apresentar. (…) Muitos alunos de nossa escola só tiveram ganhos, pois tínhamos alunos com dificuldade de disciplina e melhoraram a partir da participação da banda que ensaiava todos os fins de tarde”, comentou.

A última apresentação da Banda Saci sob a responsabilidade de Getúlio ocorreu na manhã de 25 de agosto, durante ação social na escola municipal Oliveiro Thaddeo, no bairro Ana Luiza. A banda comemora seus 55 anos nesta quarta-feira (29). Veiga era casado com Zorá Acosta Veiga e deixa três filhos e netos. O corpo do fundador da Banda Saci foi transladado para o crematório da Angelus, em Pelotas, no final da manhã desta segunda-feira (27).

Bambas e Ana Luiza perdem seu fundador e líder Iedo Fontoura

O líder comunitário e carnavalesco Iedo Aglair da Silva Fontoura, de 73 anos, vinha tratando de problemas de saúde e faleceu na madrugada de domingo (26), no Hospital Nossa Senhora Auxiliadora.

Nascido em 13 de janeiro de 1945, em Rosário do Sul, Iedo Fontoura foi um dos primeiros moradores do bairro Ana Luiza, que antes era uma lavoura de arroz, como conta o filho, Márcio Fontoura. “Como um dos primeiros moradores da Ana Luiza, sua identificação com esta comunidade era tanta que, talvez já tenha ouvido alguém falar na “Vila do Iedo”. (…) Ele fundou outra que seria mais uma marca registrada em sua trajetória, a Sociedade Recreativa Os Bambas da Orgia”, contou.

Iedo Fontoura, fundador dos Bambas da Orgia, faleceu aos 73 anos

Márcio falou ainda sobre a atuação do pai que foi responsável, juntamente com outras pessoas, da construção do centro comunitário do local. Além disso, Iedo deixou sua marca no esporte rosariense com equipes de futebol que participaram de várias categorias. “Em destaque para juvenil, onde começaram no esporte craques como Delmer Jaines, mas acima de tudo, formou o caráter de vários cidadãos”, afirmou o filho de Iedo.

Bacharel em direito, pela Universidade da Região da Campanha (URCAMP/São Gabriel), apesar de não exercer a advocacia, prestava assistência às pessoas da comunidade que o solicitava. Aos 73 anos, Iedo deixa 11 filhos, 30 netos e 26 bisnetos. “Deixa sobretudo um legado de serviços prestados a Rosário na cultura, esporte e liderança comunitária, que ultrapassou as fronteiras do nosso município através do trabalho realizado junto a Federação Gaúcha das Uniões de Associações de Moradores e Entidades Comunitárias FEGAMEC, onde exercia o cargo de Diretor de Esportes, sendo também atualmente Vice Presidente da União de Vilas e Bairros de Rosário do Sul (UVB)”, concluiu Fontoura.

Sambista e desportista, o ex-jogador de futebol profissional, Paulo Cesar da Silva Leal “Teda”, comentou sobre a perda do carnavalesco, futebolista e líder comunitário. “Hoje perdemos um dos maiores dirigentes que Rosário viu, pois o Bambas é a única equipe que sempre disputou campeonato. Um sambista que nunca deixou morrer o carnaval de Rosário, desfilando sempre com sua comunidade sem importar se ia ser primeiro ou último, o importante era fazer alegria da população. Uma  grande perda”, comentou Teda.

O corpo de Iedo foi velado na residência do carnavalesco, na rua Allan Kardec, no bairro Ana Luiza e o sepultamento ocorreu às 11h da manhã de segunda-feira (27), no Cemitério São Sebastião.

Reportagem: Julio Lemos / Gazeta de Rosário
Fotos: Viviane Macedo/Arquivo Gazeta de Rosário
Arquivo Bambas da Orgia

Deixe uma resposta

Top