Você Está
Início > Notícias > Destaque > VÍDEO: Condições das estradas rurais dificultam escoamento das safras no Campo Seco

VÍDEO: Condições das estradas rurais dificultam escoamento das safras no Campo Seco

Os produtores rurais que utilizam a estrada no Campo Seco tiveram o escoamento da safra de arroz e soja prejudicados devido às más condições das vias. Na última terça-feira (15), cerca de 40 caminhões ficaram atolados e um dos produtores precisou utilizar maquinário próprio para manutenção.

Segundo o agropecuarista Adriano Zamberlan, o problema acontece todos os anos. “Chega um ponto que no final da safra começa a estourar tudo. Ontem (terça-feira) tinha de 30 a 40 caminhões trancados na subida do Curral de Pedras. Eu tive que colocar dois tratores particulares para puxar, porque tava tudo trancado”, afirmou.

Há seis meses, Zamberlan e outros 23 produtores criaram a Associação dos Usuários da Estrada do Campo Seco com intuito de arrecadar fundos para manutenção da estrada. Produtores da localidade de Rosário até a Estância Umbu contribuem mensalmente com a associação. O valor da parcela é cobrado conforme a produção e a distância de cada um. “Conseguimos arrecadar em torno de R$ 15 mil por mês”, informa Zamberlan.

Zamberlan utilizou maquinário próprio para desatolar o maquinário

Conforme o produtor, a prefeitura auxiliava o grupo com maquinário. “Fizemos um trabalho bom em janeiro. Foram 270 cargas de balastro com patrola da prefeitura. Mas desde fevereiro a prefeitura não colabora mais”, relata Zamberlan. Diante da situação, o produtor afirma que a associação comprou uma patrola para dar manutenção à estrada municipal.

Leia mais notícias da editoria Geral

O cenário impacta diretamente os custos com frete, além do atraso na colheita, que já foi retardada pelas chuvas. “Eu tenho caminhões próprios, mas com a estrada desse jeito tenho que contratar caminhões de terceiros, porque não consigo dar conta (…). Além disso, o valor do frete aumenta quando tem que ir pro Campo Seco por causa da estrada”, explica Zamberlan.

Em contato com a Gazeta, o secretário de Obras, Abrelino Antunes, informou que na manhã de quarta-feira (16) a secretaria enviou maquinário para manutenção da estrada em questão. “Já tem uma patrola lá, e estou mandando balastro hoje (quarta-feira) para tapar os piores lugares e dar trânsito”, disse.

Questionado sobre a falta de auxílio da prefeitura, Antunes afirma que quando assumiu o cargo, em abril desse ano, a Secretaria não possuía maquinário disponível. “A primeira patrola saiu hoje (quarta-feira) cedo, e foi pro Campo Seco. É a primeira patrola que consegui arrumar”, explica.

Leia mais notícias da editoria Rural

Quanto à perspectiva de melhoria da região, Antunes afirma que a Secretaria prestará auxílio quando necessário. “A princípio vamos dar uma cobertura pra os produtores terminarem a colheita. No verão, vamos ter que estudar uma forma de melhorar e evitar esse problema, que acontece todos os anos na época de colheita”, completa.

Conforme Zamberlan, na próxima segunda-feira (21) representantes da associação estarão reunidos com o Poder Legislativo para apresentar a situação e formular um documento solicitando providências ao Executivo.


Colheitas de soja e arroz estão praticamente concluídas no Rio Grande do Sul

Segundo o Informativo Conjuntural da Emater/RS-Ascar, divulgado na semana passada, a soja já está com 96% da área total semeada colhida e o arroz com 95%, no Rio Grande do Sul.

O órgão afirma que o mercado de soja continua extremamente volátil, influenciado pelas fortes exportações de aproximadamente 30 milhões de toneladas, no período de janeiro a abril, além da demanda interna pelo grão, principalmente pelas indústrias de biodiesel.

Já a comercialização do arroz continuaria com menores volumes de negócios e com preços abaixo do esperado pelos produtores. Para a Emater/RS-Ascar, dificulta as vendas internas a contínua importação de arroz do Paraguai, pressionando os preços para baixo.

TE MEXE ARROZEIRO – Neste sábado (19), em Restinga Seca, acontece mais um evento promovido pelo movimento “Te Mexe Arrozeiro“, que reivindica melhores condições para a classe. O objetivo é apresentar o que o movimento alcançou até o momento e ações políticas relacionadas ao setor.

Reportagem: Larissa Hummel /  Gazeta de Rosário
Fotos: Reprodução / WhatsApp

Deixe uma resposta

Top